CHAVES PARA O AUTOCONHECIMENTO E A CURA-Ressonância Harmônica-Voce cria sua própria realidade-A engenharia da informação humana-Parte 1

9588a-post-07-24-7

A Luz é Invencível

A METÁFORA DA LUZ Normalmente, quando uma pessoa quer ter luz numa sala, não precisa fazer um curso de engenharia eletrônica, nem de engenharia elétrica para ter acesso à luz. Basta que vá até o interruptor e aperte um simples botão. E terá luz. Quando se compra um carro, ninguém discute a qualidade do aço […]
Acesse A Luz é Invencível para visualizar o post inteiro

Fonte: CHAVES PARA O AUTOCONHECIMENTO E A CURA-Ressonância Harmônica-Voce cria sua própria realidade-A engenharia da informação humana-Parte 1

Anúncios

AOS AMIGOS…

Three Friends near LiJiang by Gary Holland

Poema aos amigos

Não posso dar-te soluções
Para todos os problemas da vida,
Nem tenho resposta
Para as tuas dúvidas ou temores,
Mas posso ouvir-te
E compartilhar contigo.

Não posso mudar
O teu passado nem o teu futuro.
Mas quando necessitares de mim
Estarei junto a ti.

As tuas alegrias
Os teus triunfos e os teus êxitos
Não são os meus,
Mas desfruto sinceramente
Quando te vejo feliz.

Não julgo as decisões
Que tomas na vida,
Limito-me a apoiar-te,
A estimular-te
E a ajudar-te sem que me peças.

Não posso traçar-te limites
Dentro dos quais deves atuar,
Mas sim, oferecer-te o espaço
Necessário para cresceres.

Não posso evitar o teu sofrimento
Quando alguma mágoa
Te parte o coração,
Mas posso chorar contigo
E recolher os pedaços
Para armá-los novamente.

Não posso decidir quem foste
Nem quem deverás ser,
Somente posso
Amar-te como és
E ser teu amigo.

Todos os dias, penso
Nos meus amigos e amigas,
Não estás acima,
Nem abaixo nem no meio,
Não encabeças
Nem concluís a lista.
Não és o número um
Nem o número final.

E tão pouco tenho
A pretensão de ser
O primeiro
O segundo
Ou o terceiro
Da tua lista.
Basta que me queiras como amigo

Dormir feliz.
Emanar vibrações de amor.
Saber que estamos aqui de passagem.
Melhorar as relações.
Aproveitar as oportunidades.
Escutar o coração.
Acreditar na vida.

Obrigado por seres meu amigo.

Jorge Luis Borges

Jorge Francisco Isidoro Luis Borges Acevedo nasceu em Buenos Aires, em 24 de agosto de 1899, e faleceu em Genebra, em 14 de junho de 1986.

.

SOMOS SERES ESPIRITUAIS…

AFINIDADES ESPIRITUAIS.Cida Pereira's Blog

teilhard_de_chardin_nao_somos_seres_humanos_vivendo_uma_86g30e

Imagem: http://pensador.uol.com.br

Vivemos em um mundo tridimensional, onde a maioria das pessoas acreditam que tudo é feito de matéria.

Nele, nossas vidas existem somente até nossos corpos físicos se extinguirem. Quando o corpo morre, ou tudo acaba e nada mais resta, ou nossa alma vai para o descanso ou fogo eternos.

Será que é isso mesmo? E onde fica essa história de sexto sentido, intuição, sonhos e pesadelos?

Os materialistas podem até contestar a existência dessas coisas, mas ainda não conseguiram provar a inexistência delas. O que não se sente através dos cinco sentidos não existe. Será que é isso mesmo?

Somos só corpos mesmo? Ainda assim, existem aqueles que vêem e conversam com pessoas mortas. Mas, se as pessoas já morreram, como podem aparecer, ou conversar?

Nossos espíritos deixam de existir, ficam presos em infernos e paraísos? Ou apenas ficam livres das limitações do corpo físico após a nossa…

Ver o post original 199 mais palavras

SOBRE O AMOR…

AFINIDADES ESPIRITUAIS.Cida Pereira's Blog

paulo_de_tarso_ainda_que_eu_falasse_wl

“ Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse Amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse Amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tivesse Amor, nada disso me aproveitaria. O Amor é paciente, é benigno; o Amor não é invejoso, não trata com leviandade, não se ensoberbece, não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal, não folga com a injustiça, mas folga com a verdade. Tudo tolera, tudo crê, tudo espera e tudo suporta. O Amor…

Ver o post original 436 mais palavras

SOBRE O AMOR…

paulo_de_tarso_ainda_que_eu_falasse_wl

Falando Sobre o Amor…

Por: Cida Pereira 

“ Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse Amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse Amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tivesse Amor, nada disso me aproveitaria. O Amor é paciente, é benigno; o Amor não é invejoso, não trata com leviandade, não se ensoberbece, não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal, não folga com a injustiça, mas folga com a verdade. Tudo tolera, tudo crê, tudo espera e tudo suporta. O Amor nunca falha. Havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos; mas quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado. Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino. Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido. Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; mas o maior destes é o Amor. ”

Paulo de Tarso
Primeira Epístola aos Coríntios

Amor

O amor é mais e maior do que o sentimento que destinamos aos que nos são mais próximos, sejam filhos, irmãos, pais ou cônjuges. O amor é mais que um simples sentimento. Ele é tudo o que existe em um só. É uma única substância materializada em formas. Tudo é amor e o amor é Deus.

O verdadeiro amor é incondicional e é naturalmente direcionado a todos os seres. Aliás, essa expressão é usada, justamente porque nós condicionamos o nosso amor.

Nós, seres humanos, temos dificuldades em vivenciar o amor. Tendemos, insanamente, a desejar, implorar e até mesmo exigir sermos amados.

Na verdade, precisaríamos, simplesmente, amar. Mas, é difícil para a mente humana, limitada pelo cérebro físico, entender o que é simplesmente amar.

Amar é aceitar o seu Eu Interior. É aceitar o Ser de Luz que há dentro de cada um. É se sentir um com todos, é viver apenas para usufruir harmoniosamente de tudo que há à nossa volta, tanto no que se refere a pessoas, quanto a animais, a vegetais, a toda a natureza.

Só vivenciamos o puro amor quando nos sentimos unos com tudo e com todos ao nosso redor, no planeta, no universo…

O amor vivido verdadeiramente, simplesmante existe. Não há condição, não há exigência. Ele simplesmente é.

No entanto, quando condicionamos nosso amor, nos negando a amar ou perdoar, ou a ter compaixão, ou insistimos a limitar esse amor apenas aos que nos são mais próximos, é que vivemos a dualidade do bem e do mal, criamos as disputas, o sofrimento, o ódio e as guerras.

Deus é amor. E quando amamos, nos conectamos com Ele. Deus, com seu amor infinito, é uma imensa malha. Vivendo em perfeita sintonia com essa malha, nos tornamos parte dela. Assumindo ser parte dela, assumimos ser parte de Deus também.

E onde está esse amor?
Ele está onde Deus está.
E onde está Deus?
Ele está dentro de cada um de nós!

Amor e Luz,

Cida Pereira


Aprendi com o Mestre dos Mestres que…

 

jesus-e-a-verdadeira-historia-da-pascoa-mensgem-canalizada

“Aprendi com o Mestre dos Mestres que a arte de pensar é o tesouro dos sábios. Aprendi um pouco mais a pensar antes de reagir, a expor – e não impor – minhas idéias e a entender que cada pessoa é um ser único no palco da existência.

Aprendi com o Mestre da Sensibilidade a navegar nas águas da emoção, a não ter medo da dor, a procurar um profundo significado para a vida e a perceber que nas coisas mais simples e anônimas se escondem os segredos da felicidade.

Aprendi com o Mestre da Vida que viver é uma experiência única, belíssima, mas brevíssima. E, por saber que a vida passa tão rápido, sinto necessidade de compreender minhas limitações e aproveitar cada lágrima, sorriso, sucesso e fracasso como uma oportunudade preciosa de crescer.

Aprendi com o Mestre do Amor que a vida sem amor é um livro sem letras, uma primavera sem flores, uma pintura sem cores. Aprendi que o amor acalma a emoção, tranquiliza o pensamento, incendeia a motivação, rompe obstáculos intransponíveis e faz da vida uma agradável aventura, sem tédio, angústia ou solidão. Por tudo isso Jesus Cristo se tornou, para mim, um Mestre Inesquecível”

Augusto Cury

NO UNIVERSO DAS AFINIDADES…

_O que é Afinidade...

AFINIDADE

A afinidade não é o mais brilhante, mas o mais sutil,
delicado e penetrante dos sentimentos.
O mais independente.

Não importa o tempo, a ausência, os adiamentos,
as distâncias, as impossibilidades.
Quando há afinidade, qualquer reencontro retoma a relação,
o diálogo, a conversa, o afeto, no exato ponto em que foi interrompido.
Afinidade é não haver tempo mediando a vida.

É uma vitória do adivinhado sobre o real.
Do subjetivo sobre o objetivo.
Do permanente sobre o passageiro.
Do básico sobre o superficial.
Ter afinidade é muito raro.

Mas quando existe não precisa de códigos verbais para se manifestar.
Existia antes do conhecimento, irradia durante e permanece depois
que as pessoas deixaram de estar juntas.
O que você tem dificuldade de expressar a um não afim, sai simples
e claro diante de alguém com quem você tem afinidade.

Afinidade é ficar longe pensando parecido a respeito dos mesmos
fatos que impressionam, comovem ou mobilizam.
É ficar conversando sem trocar palavra.
É receber o que vem do outro com aceitação anterior ao entendimento.

Afinidade é sentir com.
Nem sentir contra, nem sentir para, nem sentir por, nem sentir pelo.
Quanta gente ama loucamente, mas sente contra o ser amado.
Quantos amam e sentem para o ser amado, não para eles próprios.

Sentir com é não ter necessidade de explicar o que está sentindo.
É olhar e perceber.
É mais calar do que falar.
Ou quando é falar, jamais explicar, apenas afirmar.

Afinidade é jamais sentir por.
Quem sente por, confunde afinidade com masoquismo.
Mas quem sente com, avalia sem se contaminar.
Compreende sem ocupar o lugar do outro.
Aceita para poder questionar.
Quem não tem afinidade, questiona por não aceitar.

Só entra em relação rica e saudável com o outro,
quem aceita para poder questionar.
Não sei se sou claro: quem aceita para poder questionar,
não nega ao outro a possibilidade de ser o que é, como é, da maneira que é.
E, aceitando-o, aí sim, pode questionar, até duramente, se for o caso.
Isso é afinidade.
Mas o habitual é vermos alguém questionar porque não aceita
o outro como ele é. Por isso, aliás, questiona.
Questionamento de afins, eis a (in)fluência.
Questionamento de não afins, eis a guerra.

A afinidade não precisa do amor. Pode existir com ou sem ele.
Independente dele. A quilômetros de distância.
Na maneira de falar, de escrever, de andar, de respirar.
Há afinidade por pessoas a quem apenas vemos passar,
por vizinhos com quem nunca falamos e de quem nada sabemos.
Há afinidade com pessoas de outros continentes a quem nunca vemos,
veremos ou falaremos.

Quem pode afirmar que, durante o sono, fluidos nossos não saem
para buscar sintomas com pessoas distantes,
com amigos a quem não vemos, com amores latentes,
com irmãos do não vivido?

A afinidade é singular, discreta e independente,
porque não precisa do tempo para existir.
Vinte anos sem ver aquela pessoa com quem se estabeleceu
o vínculo da afinidade!
No dia em que a vir de novo, você vai prosseguir a relação
exatamente do ponto em que parou.
Afinidade é a adivinhação de essências não conhecidas
nem pelas pessoas que as tem.

Por prescindir do tempo e ser a ele superior,
a afinidade vence a morte, porque cada um de nós traz afinidades
ancestrais com a experiência da espécie no inconsciente.
Ela se prolonga nas células dos que nascem de nós,
para encontrar sintonias futuras nas quais estaremos presentes.
Sensível é a afinidade.
É exigente, apenas de que as pessoas evoluam parecido.
Que a erosão, amadurecimento ou aperfeiçoamento sejam do mesmo grau,
porque o que define a afinidade é a sua existência também depois.

Aquele ou aquela de quem você foi tão amigo ou amado, e anos depois
encontra com saudade ou alegria, mas percebe que não vai conseguir
restituir o clima afetivo de antes,
é alguém com quem a afinidade foi temporária.
E afinidade real não é temporária. É supratemporal.
Nada mais doloroso que contemplar afinidade morta,
ou a ilusão de que as vivências daquela época eram afinidade.
A pessoa mudou, transformou-se por outros meios.
A vida passou por ela e fez tempestades, chuvas,
plantios de resultado diverso.

Afinidade é ter perdas semelhantes e iguais esperanças,
é conversar no silêncio, tanto das possibilidades exercidas,
quantos das impossibilidades vividas.

Afinidade é retomar a relação do ponto em que parou,
sem lamentar o tempo da separação.
Porque tempo e separação nunca existiram.
Foram apenas a oportunidade dada (tirada) pela vida,
para que a maturação comum pudesse se dar.
E para que cada pessoa pudesse e possa ser, cada vez mais,
a expressão do outro sob a forma ampliada e
refletida do eu individual aprimorado.

Arthur da Távola