O DESPERTAR DA CONSCIÊNCIA É INEVITÁVEL… PARA TODOS…

nivel-de-consciencia

Os  9  estágios  do  despertar  da  consciência. Você é um ser desperto ?

1-gAPMGXo3U_wlEFIzJSEH3g (edited)

Por: Fabio Novo

.  

O despertar da consciência é um processo, não um estalo. É um fluxo, não uma explosão. Quando o estalo estala, é sinal que o processo maturou. Quando a explosão eclode, é porque o fluxo transbordou. A cada estalido, equivale um salto, a cada salto, uma nova realidade.

Despertar é um movimento de evolução da consciência que parte de um estado de acomodação e caminha em direção a um estado maior, de maior amplitude, profundidade, complexidade, inteligência, criatividade e beleza.

Sempre estamos a caminho do despertar da consciência, que costuma tardar e falhar, mas não costuma deixar de acontecer, nem cedo nem tarde, num dia qualquer da eternidade, provável que num sábado de primavera, na hora do almoço.

É inevitável, todos vamos despertar, todos estamos despertando, consciente ou inconscientemente. Quem garante é o Eu Max, aquela versão brilhantosa de nós mesmos que mora lá no futuro e se diverte mexendo seus pauzinhos magnéticos para nos atrair, como um imã. Sim, já foi comprovado, o fim da linha é um pote de mel, um prato de sopa ou uma lâmpada incandescente.

Para alguns de nós o processo acontece de forma abrupta, como um susto. Para outros, é como um escorregar preguiçoso. Há quem o deseje todos os dias, há quem pense nisso de vez em quando, há quem nunca se lembra de lembrar. Há aqueles que o buscam com ardor, há aqueles que o deixam acontecer na inércia, há aqueles que não se preocupam com isso. E claro, há aqueles que escrevem sobre isso e aqueles que odeiam quem escreve sobre isso. E há eu e há você. E há o Eu Max nos seduzindo…

Embora não hajam regras fixas, o processo de despertar parece percorrer certos estágios de maturação pré roteirizados. Mas se o roteiro do caminho é o mesmo, a originalidade da caminhada é única, pessoal e intransferível.

Ao longo do tempo da vida passamos por esses estágios e vivenciamos diversos despertares, que são como saltinhos quânticos que revelam que mudamos de fase no videogame. Ao que tudo indica, não há shortcuts que se sustentem, apenas fases e mais fases, geralmente sucessivas, não necessariamente bem sucedidas, raramente aleatórias.

O tempo que permanecemos em cada estágio e a forma como lidamos com os seus respectivos desafios, varia infinitamente, tanto como nós. Altos e baixos, idas e vindas, trancos e barrancos, saltos mortais e recaídas homéricas fazem parte da jornada de todos nós. Acelerações, dormências, desvios, engarrafamentos, derrapagens, pedágios e pausas para meditação, deslumbre e autoengano, também, aos montes.

É importante se lembrar que o processo é energético e o fluxo acontece por meio da contínua amplificação do nosso quantum vibratório. A cada estágio nos manifestamos num estado de maior potência, com a visão mais ampla da realidade, a percepção mais aguçada sobre nós mesmos, a sensibilidade mais apurada para o outro, a mente mais cristalina para intuir e o coração mais generoso para ser.

Com mais energia, somos mais autônomos. Com mais consciência, mais lúcidos. Com mais amor, mais livres. Autonomia, lucidez e liberdade são senhas que nos abrem caminhos que nos inspiram vontades que no indicam verdades que nos levam até nós mesmos. Ser quem somos e viver ancorados no amor é o nosso destino comum, nosso futuro compartilhado.

Despertar é isso, é deixar de ser quem não somos e voltar a ser quem nunca deixamos de ser. Despertar é desapertar, é se libertar do aperto, é despentear a ilusão, é estar esperto, perto de si, fluindo na onda da verdade.

Os 9 estágios do despertar da consciência.

Se pudéssemos “metaforicamente” classificar os estágios do despertar, talvez ficasse mais ou menos assim.

1 . Sono  – Neste estágio estamos dormindo profundamente. É um estado vegetativo onde há pouca ou nenhuma atividade consciente. A vida segue de forma orgânica, limitada, rotineira, pequena e abaixo linha do equador da autoconsciência. Embora estejamos vivos, não criamos, não pensamos e não interagimos com o mundo externo de forma pró-ativa. O eu está apagado. Somos massa de manobra.

2 . Sonambulista  –  Uma variação do estado de sono profundo. É um sono mecânico, com maior movimentação na vida. Interagimos com outros, mas ainda estamos alheios e alienados sobre tudo o que se passa dentro e fora de nós. Vivemos pra sobreviver. Somos massa de manobra que anda e fala.

3 . Onírico  –  Sono com sonhos  – Nesta etapa se inicia uma atividade pré-consciente e começamos a dar os primeiros sinais de vida cognitiva. De forma caótica e fantasiosa, um movimento não contínuo e desestruturado de pensamentos, ideias, emoções, desejos, sensações e vontades começa a se manifestar no subconsciente no formato de sonhos. Ainda dormindo e passivos, mas o sono é mais leve e o eu, semi-apagado, começa a interagir com a mundo interno e externo. Aqui começamos a ter vislumbres de que talvez haja algo mais na vida além de contas para pagar, igrejas para rezar, times para torcer, partidos para defender e TV para assistir. Somos sonhadores sem causa.

4 .  Lúcido – Sono com sonhos lúcidos  –  Esse é um estágio interessante. Terminada a infância, começa a adolescência. O eu subitamente estala e desperta, dentro do sonho. Com uma lucidez relativa, agora sabemos que estamos sonhando e nos divertimos com a fantasia. Brincamos de viver e queremos mudar o mundo dentro de casa. Criticamos o governo, apoiamos causas, reclamamos da corrupção, nos indignamos com o desmatamento da Amazônia e cutucamos muitas onças, na internet. Ousamos palpitar sobre tudo e todos, mas permanecemos encapsulados em estruturas de proteção. Ainda não estamos prontos e ainda não temos coragem de encarar o mundo real. É a fase do ensaio. A vontade é restrita. Somos sonhadores úteis.

5 . Preguiçoso  –  Acordando  –  Aqui começamos o processo de acordar e durante um tempo oscilamos entre diferentes estados de autoconsciência. Flashs de percepção desperta misturam-se com devaneios, sonhos e momentos de sono profundo. É quando começamos a perceber que algo maior está para acontecer em nossas vidas, que uma nova realidade está emergindo, que há algo maior para ser feito e que precisamos mudar. Esta transição costuma acontecer de forma pendular, pois se há uma vontade natural de despertar para a vida e se abrir para o novo, também há uma resistência natural para deixar tudo como está e permanecer no quentinho do confort zone. Muitos empacam aqui, recaídas são comuns, o medo brota. Postergamos ao máximo porque ainda não queremos assumir o compromisso com a vida nem a responsabilidade pelo nosso destino. Nossa atuacão no mundo é frágil, inconstante, descompromissada e oscila entre workshops de fim de semana, ação eufórica, ausências temporárias, escapismos e ações fugazes. Somos 1/3 crianças, 1/3 adolescentes, 1/3 terço adultos.

6 . Olhos abertosAcordado  –  Finalmente acordamos. Agora não conseguimos mais voltar a dormir, nem sonhar, nem escapar, nem fingir. O sono acabou. O jogo está próximo de mudar de fase. Estamos energizados, famintos e com desejos. Espreguiçamos prazerosamente. Mas acordado não é desperto. A vida com seus desafios e oportunidades bombam à nossa frente. Ainda aqui, há quem resista, seduzido pelo medo e preguiça. Mas qualquer tentativa de retorno ao estado anterior é depressão, ou loucura, na certa. A maioria tenta. Muitos conseguem. Uns poucos ouvem o chamado e decidem se arriscar a viver, de verdade. Investem no autoconhecimento com vontade, tomam decisões, assumem compromissos, se engajam. Aplicam pequenas mudanças em seu estilo de vida. Somos aprendizes.

7. De péAndando  –  Nesse estágio estamos acordados e encarando a vida de frente. Temos muitos interesses, compromissos, relações e conexões. Trabalhamos muito. Momentos difíceis e mágicos se alternam. Perdas e ganhos se acumulam. A energia é alta, mas densa. Estamos investindo nos fundamentos, mexendo em estruturas. Queremos realizar muito mas só conseguimos andar. O processo é lento. A consciência está presente, mas a dualidade cansa. Autoconhecimento dá trabalho. Constantemente precisamos recarregar. As vezes, a conexão enfraquece e esquecemos do propósito. Cambaleamos. Reclamamos. Temos saudades do passado, quando tudo parecia ser mais leve e lúdico. Estamos sendo testados. Mas seguimos em frente. Somos voluntários cansados.

8. Em movimento  –  Correndo –  Quando menos esperamos – depois de muito trabalho, dedicação e autocura – o processo do despertar dá um salto. “De repente”, a vida fica fácil e começa a fluir com uma sofisticada beleza. Sincronicidades pulam por todos os lados. A magia emerge. A beleza se revela. A fila anda. A autoconexão é forte. Nos sentimos guiados. Estamos presentes, plenos, conscientes e comprometidos com a vida. Lamentamos o tempo perdido. E queremos mais, muito mais. Realizamos o que nem imaginávamos ainda ser possível realizar, o nosso verdadeiro sonho. O eu está radiante de felicidade e alegria. Estamos em sync com a nossa essência. Não há mais ilusão, nem esforço, nem medo, apenas curtição, vontade e deleite. Entregues, nos deliciamos com o caminho enquanto realizamos nosso propósito de vida alinhados com o mundo. Estamos floridos e cantantes. Alegres e perfumados. Saltitantes e sábios. Somos pessoas verdadeiras.

9 . TranscendendoVoando  –  Num sábado qualquer da eternidade, na hora do almoço, você já sabe, desapertamos e despertamos. Neste estágio final, ou de recomeço em outra dimensão, acabam os estágios, existe apenas o fluxo. Eu sou eu, sou você, somos nós, somos todos nós. A ilusão da separação desaparece completamente. Fluimos fundidos ao todo, livres, em paz e em comunhão com o divino. A conexão é total, permanente, una. Estamos plenamente íntegros, integrados e integrais. Completamente identificados com a luz, com a consciência, com o amor e com o ar que respiramos. A síntese aconteceu. eu = Eu Max.

www.holoplex.org

03/11/15

 


Via: Os 9 estágios do despertar da consciência. Você é um ser desperto ? – Holoplex

Anúncios

UM LIVRO SOBRE A IMPORTÂNCIA DO AMOR NA SALVAÇÃO DA HUMANIDADE…

Ami, o menino das estrelas

Ami, O Menino das Estrelas

  (DIÁLOGO ENTRE UMA CRIANÇA TERRESTRE (PEDRINHO) E UMA OUTRA EXTRATERRESTRE (AMI))

ami_o_menino_das_estrelas

Postado por Bernardo Melgaço

 

Na página de apresentação do livro encontramos:

“É difícil aos dez anos de idade escrever um livro. Nesta idade ninguém entende muito de literatura… nem se interessa demais; mas eu [Pedrinho] vou ter que fazer isso, porque Ami disse que se eu o quisesse ver novamente deveria relatar em um livro o que eu vivi a seu lado.

Ele me advertiu que entre os adultos, muito poucos me entenderiam, porque para eles era mais fácil acreditar no terrível do que no maravilhoso.

Para evitar problemas ele me recomendou que dissesse que tudo era uma fantasia, uma história para crianças.

Eu vou obedecer-lhe ISTO É UMA HISTÓRIA” (p.3).

DIÁLOGO ENTRE O MENINO CHILENO (Pedrinho) E O “MENINO” EXTRATERRESTRE (Ami):

“- [Pedrinho] Mas talvez existam mundos com seres inteligentes e malvados…
“Inteligentes e malvados”! – Ami dava risada – Isso é como dizer bons-maus.
Eu [Pedrinho] não conseguia compreender. E esses cientistas loucos e perversos que inventam armas para destruir o mundo, contra os quais Batman e Superman lutam? Ami captou meu pensamento e explicou rindo:
Esses não são inteligentes; são loucos.
– Bom, então é possível que exista um mundo de cientistas loucos que poderiam nos destruir…
– Além dos daqui da Terra, impossível…
– Por quê?
– Porque se são loucos, destroem-se a si mesmos primeiro. Não conseguem obter o nível científico necessário para poder abandonar seus planetas e partir para invadir outros mundos. É mais fácil construir bombas do que naves intergaláticas, e se uma civilização não tem bondade e alcança um alto nível científico, mais cedo ou mais tarde vai utilizar seu poder científico contra si mesma, muito antes de poder partir para outros mundos.
– Mas em algum planeta poderiam sobreviver, por casualidade…
– Casualidade? No meu idioma não existe essa palavra. Que significa casualidade?
Tive de dar vários exemplos para que ele compreendesse. Quando consegui, ele achou engraçado. Disse que tudo está relacionado, mas que nós não compreendemos a lei que une todas as coisas, ou não a queremos ver.
– É que se são tantos os milhões de mundos, como você diz, poderiam sobreviver alguns malvados sem se destruir. Eu continuando na possibilidade dos invasores. Ami tentou fazer-me compreender:
– Imagine que muitas pessoas têm que pegar uma barra de ferro quente, uma a uma, com as mãos nuas. Qual é a possibilidade de que alguma não se queime?
– Nenhuma; todas se queimam – respondi.
– É assim mesmo, todos os malvados se autodestroem se não conseguem superar sua maldade. Ninguém escapa da lei que rege esse assunto.
– Que lei?
– Quando o nível científico de um mundo supera em muito o nível de amor, esse mundo se autodestrói…
– Nível de amor?
Podia entender com clareza o que é o nível científico de um planeta, mas não compreendia o que era o “nível de amor”.
– A coisa mais simples é, para alguns, a mais difícil de compreender…o amor é uma força, uma vibração, uma energia cujos efeitos podem ser medidos por nossos instrumentos. Se o nível de amor de um mundo é baixo, existe infelicidade coletiva, ódio, violência, separatismo, guerras e…com um nível perigosamente alto de capacidade destrutiva…compreende-me, Pedrinho?
– Em geral, não. O que você quer dizer?
– DEVO lhe dizer muitas coisas, mas vamos aos poucos. Começamos por suas dúvidas.
Ainda não podia acreditar que não existissem monstros invasores. Contei-lhe um filme no qual “extraterrestres lagartos” dominavam muitos planetas porque estavam muito bem organizados. Ele disse:
– Sem amor não pode existir uma organização duradoura. Nesse caso, é preciso obrigar, forçar. Ao final, aparece a rebeldia, a divisão e a destruição. Só existe uma forma universal perfeita de organização, capaz de assegurar a sobrevivência, e é possível naturalmente quando uma civilização se aproxima ao amor, quando evolui. Os mundos que chegam a isso são evoluídos, civilizados, não fazem mal a ninguém. Não existe nenhuma outra alternativa em todo o universo. Uma inteligência maior do que a nossa inventou tudo isso….
Eu continuei sem compreender nem uma palavra, apesar de que depois ele conseguiu me explicar melhor; no momento eu continuava com dúvidas a respeito dos monstros inteligentes e malvados.
Televisão demais! – exclamou Ami, para logo acrescentar:
Os monstros que imaginamos estão dentro de nós mesmos. Enquanto não os abandonamos, não merecemos alcançar as maravilhas do universo… Os malvados não são bonitos nem inteligentes.
– Mas… e essas mulheres lindas e malvadas que aparecem nos filmes?
– Ou não são lindas ou não são más…A verdadeira inteligência, a bondade e a beleza andam de mãos dadas; tudo é conseqüência do mesmo processo evolutivo que leva ao amor.
– Então você quer dizer que não há gente malvada no universo, além dos daqui da Terra?
– Claro que há. Existem mundos nos quais você não poderia sobreviver nem meia hora. Aqui mesmo, na Terra, há um milhão de anos… Existem mundos habitados por verdadeiros monstros humanos…
– Está vendo, está vendo? – exclamei triunfante – você mesmo reconhece, eu tinha razão; eu estava me referindo a esses monstros…
Mas não se preocupe; eles estão “embaixo”, não “em cima”, habitam mundos mais atrasados do que este; suas mentes não lhes permitem nem mesmo conhecer a roda, assim que não vão chegar até aqui…
Isso era tranqüilizador.
– Então depois de tudo, os terrícolas não são os mais malvados do universo…
– Não; mas você é um dos mais bobinhos da galáxia!
Rimos como bons amigos.”(p.19-21).

“- Ah, sim! Você quer dizer que aqui também estamos correndo perigo, como nos mundos dos malvados?
– Existem muitas possibilidades. A relação entre a ciência e o amor está terrivelmente inclinada para o lado da ciência; milhões de civilizações como esta se autodestruíram. É um ponto de mudança…perigoso”
(p.26).

“Eu estava realmente nervoso. Comecei a procurar uma solução para evitar a guerra e a possível destruição da humanidade. Pensei que os extraterrestres poderiam tomar o poder pela força na Terra, destruir as bombas e nos obrigar a viver em paz. Disse isso a ele. Quando parou de rir, afirmou que eu não conseguia deixar de ser terrícola ao pensar.
– Por quê?
– Pela força, destruir, obrigar, tudo isso é terrícola, incivilizado, violência. A liberdade humana é algo sagrado, tanto a nossa como a alheia. Obrigar não existe em nossos mundos; cada pessoa é valiosa e respeitada. Pela força e destruição é violência, o que vem de “violar”; violar a Lei do Universo…
– Então vocês não fazem a guerra?
– Ainda não tinha terminado de fazer esta pergunta quando me senti estúpido por tê-la feito.
Olhou-me com carinho e colocando sua mão no meu ombro, disse:
– Nós não fazemos a guerra, porque acreditamos em Deus.
Sua resposta surpreendeu-me muito. Eu também acreditava em Deus, mas ultimamente estava pensando que somente os padres do meu colégio acreditavam Nele, e também as pessoas com pouca cultura, porque tenho um tio que é físico nuclear da Universidade e ele diz que “a inteligência matou Deus”.
– Seu tio é um tolo
– afirmou Ami, depois de ler meus pensamentos.
– Não acho; ele é considerado um dos homens mais inteligentes do país.
– É um tolo
– Ami insistia – a maçã pode matar a macieira? A onda pode matar o mar?’…
– Pensei que…
– Enganou-se. Deus existe.”
(p.27).

“Começamos a andar pelo caminho que vai ao povoado. Colocou seu braço no meu ombro e senti nele o irmão que nunca tive.
De longe se escutavam algumas aves noturnas a grasnar. Ami parecia deleitar-se com esses sons; inspirou o ar marítimo e disse:
– Deus não tem aparência humana – seu rosto brilhava na noite ao falar do Criador – não tem forma alguma, não é uma pessoa como você ou como eu. É um Ser infinito, pura energia criadora… puro amor…
– Ah!
Ele dizia isso de uma maneira tão bela, que conseguia que eu me emocionasse.
– Por isso, o universo é lindo e bom…É maravilhoso” (p.28).

“- Ah, sim!
– Aqueles que viveram existências difíceis, violentas, quando conseguem atingir uma vida mais humana a valorizam como ninguém… Se nunca existisse noite, não poderíamos desfrutar o amanhecer…”
(p.28).

“Enquanto caminhávamos, ele se detinha para olhar a lua entre as folhas de eucaliptos, às vezes me dizia que ficássemos a ouvir o coaxar das rãs, o canto dos grilos noturnos, o longínquo ruído das ondas. Detinha-se a respirar o aroma dos pinheiros, do córtex das árvores, da terra, a observar uma casa que ele achava bonita, uma rua ou um cantinho em uma esquina.
– Veja que lindos esses candeeiros… parecem um quadro… observe como cai a luz sobre essa trepadeira… e essas anteninhas recortadas contra as estrelas… A vida não tem outro propósito que o de se desfrutá-la de uma maneira sã, Pedrinho.
Procure colocar sua atenção em tudo o que a vida lhe proporciona… A maravilha está em cada instante… Tente sentir, perceber, em lugar de pensar. O sentido profundo da vida está além do pensamento… Sabe, Pedrinho, a vida é um conto de fadas feito realidade… é um dom maravilhoso que Deus lhe brinda… porque Deus o ama…
Suas palavras me faziam ver as coisas de um novo ponto de vista. Parecia-me incrível que esse mundo fosse o habitual, o de todos os dias, ao qual eu jamais prestava atenção…agora percebia que vivia no Paraíso, sem nunca ter percebido antes…”(p.31).

“- Incivilizados?
– Chamamos incivilizados aos mundos que não respeitam os três requisitos básicos…
– Quais são?
– Os três requisitos básicos que um mundo deve respeitar para ser considerado civilizado são: primeiro, conhecer a Lei fundamental do universo; uma vez que se conhece e se pratica esta lei, é muito fácil cumprir os outros dois. Segundo, constituir uma unidade: devem ter um só Governo Mundial. Terceiro, devem organizar-se de acordo com a Lei fundamental do universo”
(p.32).

“Ami parecia saber mais de mim, do que eu mesmo…
– Esse livro vai ser informação também. Mais do que fazemos, não nos é permitido. Você gostaria que não existisse a menor possibilidade de que uma civilização de malvados venha invadir a Terra?
– Sim.
– Está vendo? Mas se vocês não deixam de lado a sua maldade e nós os ajudamos a sobreviver, rapidamente estariam tentando dominar, explorar e conquistar outras civilizações do espaço…mas o universo civilizado é um lugar de paz e de amor, de confraternização. Além disso, existem outras qualidades de energias muito poderosas. A energia atômica ao lado delas é como um fósforo ao lado do sol…Não podemos correr o risco de que uma espécie violenta chegue a controlar essa energia e colocar em perigo a paz dos mundos evoluídos, e, muito menos, que chegue a produzir um descalabro cósmico”
(pp.34-35).

“Ami riu muito da minha afirmação.
– Você se lembra quando vínhamos pelo caminho?
– Sim, lembro-me.
– Ali tudo lhe pareceu diferente, tudo lhe pareceu lindo, não é verdade…?
– Ah, sim…parece que lá era como se eu estivesse hipnotizado…Talvez você tenha me hipnotizado!
– Estava acordado! Agora está adormecido, pensando que a vida não tem nenhuma maravilha, que tudo é perigoso. Você está hipnotizado, não escuta o mar, não percebe os aromas da noite, não toma consciência de seu caminhar nem de sua vista, não desfruta da sua respiração. Você está hipnotizado com hipnose negativa, está como essas pessoas [indivíduos] que pensam que a guerra tem algum sentido “glorioso”, como os que supõem que quem não compartilha sua própria hipnose é seu inimigo, todos estão hipnotizados, adormecidos. Cada vez que alguém começa a sentir que a vida ou um momento são lindos, então este alguém está começando a acordar. Uma pessoa desperta sabe que a vida é um paraíso maravilhoso e o desfruta instante a instante…mas não vamos pedir tanto a um mundo incivilizado…Imagine que tem pessoas [indivíduos] que se suicidam…já pensou que loucura? Suicidam-se!
…Veja, Pedrinho, todas as pessoas [indivíduos] têm um lado bom, um lado infantil. Quase ninguém é completamente mau. Se você quiser, vamos a uma prisão e rocuramos o pior criminoso.
– Não, obrigado.
– Em geral, as pessoas [o ser humano] são mais bondosas do que malvadas, inclusive neste planeta. Todos pensam que estão fazendo um bem com o que fazem. Alguns se enganam, mas não é maldade, é erro. É certo que quando estão adormecidos ficam sérios e até perigosos, mas se você os toca pelo lado bom, eles vão lhe devolver o que há de bom neles; se você os toca pelo lado negativo, eles vão lhe devolver o que há de negativo neles; apesar disso, todo mundo gosta de brincar de vez em quando.
– Então por que neste mundo existe mais infelicidade do que felicidade?
– Não é que as pessoas [indivíduos] sejam malvadas, são os sistemas que utilizam para se organizar que são velhos. As pessoas evoluíram, os sistemas ficaram atrasados. Sistemas ruins fazem as pessoas [indivíduos] sofrer, vão fazendo as pessoas [indivíduos] ficar infelizes, e no final as levam a cometer erros. Mas um bom sistema de organização mundial é capaz de transformar os maus em bons.
Não compreendi muito bem suas explicações” (pp.37-38)

“Em outra das telas apareceu o homem, mas estava quase transparente. No centro de seu peito brilhava uma luz dourada muito linda.
– Que luz é essa?
– Podemos dizer que é a quantidade de amor que existe nele, mas não seria tão exato; é mais certo dizer que é o efeito que a força do amor exerce sobre a sua alma. E também seu nível de evolução. Ele tem setecentas e cinqüenta medidas.
– E isso que significa?
– Que ele é interessante.
– Interessante por quê?
– Porque seu nível de evolução é realmente bom…para ser terrícola.
– Nível de evolução?
– Seu grau de aproximação com o animal ou com o “anjo””
(pp.49-50)

“- Você tem razão, mas meu tio, o que é físico nuclear, também deve ser muito valioso…
– Famoso talvez…A que se dedica o seu tio, dentro da física?
– Esta desenvolvendo uma nova arma, um raio ultra-sônico.
– Se ele não acredita em Deus, e além disso se dedica à fabricação de armas…penso que tem um nível bem baixo.
– O quê?! Mas ele é um sábio!
Protestei.
– Você está confundindo as coisas de novo. Seu tio tem muita informação, mas ter informação não significa necessariamente ser inteligente, e muito menos um sábio. Um computador pode ter armazenado muita informação, mas nem por isso é inteligente. Você acha muito sábio um homem que cava uma fossa, ignorando que ele mesmo vai cair nela?
– Não, mas…
– As armas se voltam contra aqueles que as apóiam…
Não me pareceu muito evidente essa afirmação de Ami, mas decidi acreditar nele. Quem era eu para duvidar de sua palavra? Apesar disso, estava confuso…meu tio era meu herói…um homem tão inteligente…
– Tem um bom computador na cabeça, isto é tudo. Aqui existe um problema de terminologia: na Terra dizem inteligentes ou sábios aos que têm uma boa capacidade cerebral em só um dos cérebros, mas temos dois…
– O quê!
– Um na cabeça. Esse é o “computador”, o único que vocês conhecem. O outro está no peito, não é visível, mas existe. É o mais importante, é essa luz que você viu pela tela no peito do homem. Para nós, inteligente ou sábio é aquele que tem ambos os cérebros em harmonia, mas isso quer dizer que o cérebro da cabeça, está a serviço do cérebro do peito, e não ao contrário, como na maioria dos “inteligentes”.
– Tudo isso me surpreende, mas agora entendo melhor. O que acontece com aqueles que têm mais desenvolvido o cérebro do peito do que o da cabeça?
– perguntei.
– Esses são os “tolos bons”. São fáceis de enganar, é simples para os outros, os “inteligentes maus”, como você dizia, colocá-los a fazer o mal enquanto pensam que estão fazendo o bem…o desenvolvimento intelectual deve estar em harmonia com o desenvolvimento emocional, só assim se produz um verdadeiro inteligente ou sábio. Só assim a luz pode crescer” (p.50-51).

 

Via: TUDO QUE NECESSITAMOS É AMOR: MINHAS EXPERIÊNCIAS ESPIRITUAIS INEXPLICÁVEIS E EXTRAORDINÁRIAS: LIVRO RECOMENDADO PELO NOSSO BLOG: AMI – O MENINO DAS ESTRELAS (DIÁLOGO ENTRE UMA CRIANÇA TERRESTRE (PEDRINHO) E UMA OUTRA EXTRATERRESTRE (AMI))


Assista também ao vídeo sobre o livro e toda a trilogia…

AMI, O MENINO DAS ESTRELAS

Camila Rodrigues dos Santos

Uma breve história sobre Ami, seus projetos, suas inspirações e afins…

 

Via: Camila Rodrigues dos Santos | AMI, O MENINO DAS ESTRELAS – YouTube


A PRESENÇA EU SOU E A CHAMA TRINA…

presenca-eu-sou-e-chama-trina

Imagem do Eu Divino

Summit Lighthouse do Brasil

A Imagem do Eu Divino é uma representação criada pelos Mestres Ascensos, com o intuito de facilitar a compreensão do relacionamento existente entre o indivíduo e Deus. A Imagem do seu Eu Divino é um retrato de si mesmo e de Deus dentro de você. É um diagrama seu e do seu potencial, para que você possa se tornar quem realmente é. Em síntese, é um diagrama de sua anatomia espiritual.

Existem três figuras representadas na Imagem do seu Eu Divino. A figura superior representa nosso Deus Pai/Mãe, a quem chamamos de Presença do EU SOU, isto é, a Presença de Deus individualizada em cada pessoa.

A Presença do EU SOU é rodeada por sete esferas concêntricas de luz que formam o que denominamos de o seu “Corpo Causal”. Essas esferas de energias contêm os registros de todas as obras boas que você realizou desde a sua primeira encarnação na Terra. Podem ser consideradas como a sua conta bancária cósmica.

A figura do meio é o Filho Unigênito do Pai, o Cristo Universal. Ele é o seu Mediador pessoal e advogado da sua alma diante de Deus. É o Eu Superior, a quem chamamos também de Santo Cristo Pessoal. É o seu instrutor interior, Divino Esposo e melhor amigo, e é mais conhecido como Anjo da Guarda. Também é chamado de Corpo Mental Superior ou Consciência Superior. Acima da cabeça do Cristo paira a pomba do Espírito Santo. Quando a sua alma realiza o casamento alquímico com o Cristo, ela está pronta para receber o batismo do Espírito Santo.

A figura inferior é uma representação sua como discípulo na senda, a caminho da reunião com Deus. É a sua alma evoluindo nos planos da matéria e usando como veículos os quatro corpos inferiores para equilibrar carma ou realizar o seu plano divino. Os quatro corpos inferiores são o corpo etérico ou da memória, o corpo mental, o corpo, do desejo ou emocional, e o corpo físico.

A alma e os quatro corpos inferiores estão destinados a ser o templo do Espírito Santo. Por isso, a Chama Violeta do Espírito Santo envolve e purifica a alma. Você pode invocar a Chama Violeta diariamente, em nome da sua Divina Presença do EU SOU e do Santo Cristo Pessoal, para purificar seus quatro corpos inferiores.

A figura inferior (etérico, mental, emocional e físico) está envolvida também por um tubo de luz, que é projetado do coração da Presença do EU SOU sempre que o pedido é feito. O tubo de luz é um cilindro de luz branca que mantém um campo de força de proteção durante 24 horas se, neste período, houver harmonia de pensamentos, sentimentos, palavras e ações.

Selada na câmara secreta do coração está a Chama Trina da vida. É a sua centelha divina, vinda da sua amada Presença do EU SOU. Também denominada chama crística, a Chama Trina é a centelha da Divindade da alma, o seu potencial para se tornar o Cristo.

O cordão de prata, ou cordão de cristal, é a corrente de vida. Ele desce do coração da sua Presença do EU SOU para o Santo Cristo Pessoal, penetrando no ser do homem pelo chakra da coroa. É este “cordão umbilical” de luz que nutre e mantém em atividade a alma, os quatro corpos inferiores e a chama trina.


Chama Trina – o passaporte  para  a  imortalidade

Summit Lighthouse do Brasil

No coração está o elo da alma para a divindade. Isto acontece porque a Presença do EU SOU colocou uma chama espiritual no coração de cada um, que está localizada num centro denominado câmara secreta do coração. Os Mestres Ascensos chamam-na Chama Trina, centelha divina ou Santa Chama Crística, porque é por meio dela que comungamos com nosso Santo Cristo Pessoal.

A chama do coração é chamada “trina” porque tem três plumas. Cada pluma representa um aspecto da divina Trindade – Pai, Filho e Espírito Santo ou, em terminologia hindu, Brahma, Vishnu e Shiva. Também é denominada trina porque encarna os três atributos primários do Espírito: poder, sabedoria e amor. Os elementos da Trindade, assim como as suas qualidades correspondentes, são representadas pelas cores azul (Pai/poder), amarela (Filho/sabedoria) e rosa (Espírito Santo/amor). O núcleo de fogo a partir do qual emerge a chama trina corresponde ao aspecto de Deus-Mãe e é representado pela cor branca.

O que significa para o indivíduo a natureza trina desta chama do coração? Ao exercer as qualidades divinas do amor, sabedoria e poder podemos manifestar a trindade da consciência de Deus e ter uma mestria maior naquilo que fazemos.

A chama rosa é o fogo da criatividade nascido do amor, da compaixão e da graça do Espírito Santo, que pode ajudar a dotar toda a criação com esse Espírito. A pluma amarela-dourada representa o Filho, a sabedoria, a mente de Cristo que está dentro de nós e que confere a inteligência. E a chama azul contém o poder e a determinação do Pai que pode manifestar o padrão divino da alma.

Equilibrar essas três plumas é um dos requisitos que temos de cumprir para fazermos a ascensão.


Fonte: Summit Lighthouse do Brasil

Via: Summit Lighthouse do Brasil | Imagem do Eu Divino
Via: Summit Lighthouse do Brasil | Chama Trina – o passaporte para a imortalidade

QUANDO A CONSCIÊNCIA DA NOVA REALIDADE ATINGIR A MASSA CRÍTICA…

 

r_evolution-761x580_guillem-mari

O PONTO CRÍTICO

Por Owen K Waters
Maio de 2013

 

Até hoje, alcançar a consciência espiritual foi sempre um desafio para a humanidade. Os estágios do desenvolvimento humano estendem-se do homem das cavernas à consciência cósmica, começando com seis estágios básicos, seguidos por seis estágios espirituais.

Hoje, a humanidade, como um todo, está na última parte do 5º estágio dos doze, que é o estágio do desenvolvimento mental ou intelectual. Enquanto isto, a cada dia, as pessoas estão fazendo a transição para a sexta e sétima etapas. A Mudança está ganhando impulso à medida que mais e mais pessoas se deslocam para estas etapas, sendo que ambas estão centradas no coração.

O 6º estágio é a fase menos elevada do coração, onde a conscientização da comunidade e do mundo desperta e o sétimo estágio é a fase superior do coração, do despertar espiritual. O portal para a consciência espiritual é através do coração, quando a pessoa se move do 6º para o 7º estágio.

Há séculos, nas culturas orientais, os aspirantes espirituais teriam que se dedicar a longas horas de meditação diária, a fim de alcançarem o estágio do despertar espiritual. Então, ao alcançá-lo, eles se tornariam auto-motivados a continuarem ao longo do caminho do desenvolvimento espiritual.

Há séculos, nas culturas ocidentais, a porta de entrada para o desenvolvimento espiritual era através da adoção da autodisciplina religiosa. Ao limitar o desvio de buscas egoístas e se concentrar na adoração à divindade, o aspirante poderia eventualmente despertar para estados superiores da consciência. Então, ao alcançar este estágio, ele se tornaria autoesmotivado a continuar ao longo do caminho do desenvolvimento espiritual.

Exteriormente, os métodos para encontrar a iluminação espiritual variavam de Leste a Oeste. O estilo Oriental era uma abordagem mais direta, enquanto o estilo Ocidental abordava a mesma sintonização com a fonte Divina, de forma diferente. Ambas as abordagens exigiam a fé inicial de que o objetivo desejado seria alcançado após muito esforço.

Tenham em mente que, naqueles dias, os buscadores espirituais eram a minoria. A maior parte da população estava ainda muito distante dos estágios espirituais da consciência, neste ponto de estar interessado na possibilidade de buscas espirituais.

Hoje, as coisas são muito diferentes. A Humanidade como um todo, está a um pequeno passo da consciência centrada no coração, o que irá acionar o principal aspecto da Mudança, uma vez que a massa crítica seja atingida. Quando um número suficiente de pessoas se juntar à migração para a consciência da Nova Realidade, o ponto crítico será alcançado e o mundo será transformado.

Lembrem-se de que cada passo que vocês dão para promover a consciência centrada no coração em vocês, afeta a atmosfera da mente global de maneira profunda. A cada vez que vocês lembram a um amigo de sua natureza espiritual, vocês ajudam o mundo a se aproximar mais um pouco desta massa crítica.

Pontos críticos são surpreendentemente fáceis de alcançar. Apenas 7% da população precisa se tornar consciente de uma nova tendência, uma nova moda ou um novo produto para que isto se torne uma palavra comum que todos conhecem.

Imaginem o que irá significar para o mundo inteiro ultrapassar este ponto crítico e subitamente saber, compreender e praticar a percepção da vida através de uma visão da realidade centrada no coração.

Basta manter este pensamento e lhe dar o seu amor e poder espiritual.


Direitos Autorais:
Owen Waters é o autor de Love, Light Laughter:
The New Spirituality, disponível em livro impresso ou como e-book em: http://www.infinitebeing.com/ebooks/love.htm

Fontes: http://www.infinitebeing.com/  /  Humanity Healing | The Tipping Point by Owen Waters
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br

Via: O Ponto Crítico – mensagem de Owen Waters 24 de Maio de 2013

AS DOZE ETAPAS DA EVOLUÇÃO CONSCIENTE…

universal_consciousness

CONSCIÊNCIA ESPIRITUAL

Por: Owen Waters
em 2 de junho de 2013

 

Buscadores bem-sucedidos da sabedoria espiritual compartilham um laço comum. Todos eles passaram pelo portal do coração, para a primeira etapa espiritual do desenvolvimento humano.

Há doze etapas da evolução consciente, designadas para a nossa experiência como seres humanos. Elas vão desde a vontade básica de sobrevivência, até a realização espiritual derradeira da consciência cósmica.

Estas doze etapas estão divididas em dois níveis de evolução consciente. Há seis etapas nos níveis básicos e seis estágios nos níveis espirituais.

O Professor Clare W. Graves (1914 – 1986) foi um cientista social que identificou primeiro as etapas básicas do desenvolvimento humano, pois ele observou as características do que agora chamamos de movimento Criativo Cultural. Ele observou que as pessoas tinham entrado na sexta etapa da consciência, em números elevados – totalizando mais do que 1 em 5 adultos naquele tempo – e ele também observou muitos casos na sétima etapa da consciência.

A partir de uma perspectiva metafísica, estas etapas do desenvolvimento social ressoam diretamente com o sistema de chacras humano. A chave para ver esta correlação é compreender que há duas faces para cada chacra principal.

Por exemplo, na face da frente do chacra do plexo solar está a versão menos elevada da consciência baseada no plexo solar. Isto se relaciona com a 4ª etapa da consciência, que se concentra na religião tradicional e em outras formas de controle autoritário.

A parte superior da consciência baseada no plexo solar se relaciona com a versão deste chacra, na face de trás e que está conectada com a parte posterior da coluna vertebral. A freqüência da sua 5ª etapa ressoa meio tom a mais do que a 4ª etapa e lida com o desenvolvimento do intelecto básico, tais como a capacidade matemática e a ciência materialista.

Como as doze faces dos sete chacras principais estão configuradas.

AS DOZE ETAPAS DA CONSCIÊNCIA HUMANA E OS SEUS NÍVEIS DE DENSIDADE RELACIONADOS

12chakras

Observem que, enquanto os vórtices de energia que representam o chacra raiz e o chacra coronário são ambos únicos, os outros cinco chacras principais têm as faces em ambas as direções – frente e trás.

A consciência baseada no plexo solar é a lente que mais ressoa com o mundo físico da terceira dimensão (3D), em que vivemos. A 4ª das 12 etapas da consciência é a versão menos elevada da consciência na 3D e a 5ª etapa é a consciência mais elevada da 3D.

Agora, observem a tabela completa das doze etapas da consciência humana. Quando as pessoas – ou sociedade em grandes grupos – evoluem na escada do desenvolvimento consciente, seus pontos de vista se expandem para uma visão mais ampla do mundo, e ainda assim, eles retêm tudo o que eles aprenderam das lições dos níveis inferiores através dos quais eles já passaram.

AS DOZE FACES DOS CHACRAS PRINCIPAIS

ESTÁGIOS NO DESENVOLVIMENTO ATUAL DA SOCIEDADE


1º ESTÁGIO: FACE DO CHACRA – Chacra Raiz 1D CARACTERÍSTICA: Instintivo
EXPRESSÃO: Sobrevivência Pessoal

2º ESTÁGIO: FACE DO CHACRA – Chacra Sexual 2D – frente CARACTERÍSTICA:Emocional Receptivo
EXPRESSÃO:Clãs

3º ESTÁGIO: FACE DO CHACRA – Chacra Sexual 2D – trás CARACTERÍSTICA: Emocional Ativo
EXPRESSÃO: Coragem

4º ESTÁGIO: FACE DO CHACRA – Plexo solar 3D – frente CARACTERÍSTICA: Intelectual receptivo
EXPRESSÃO: Propósito Determinado

ESTÁGIO: FACE DO CHACRA – Plexo Solar 3D – trás CARACTERÍSTICA: Intelectual Ativo
EXPRESSÃO: Realização

6º ESTÁGIO: FACE DO CHACRA: Chacra Cardíaco 4D – frente CARACTERÍSTICA: Holístico Receptivo
EXPRESSÃO: Organizações Comunitárias

ESTÁGIO: FACE DO CHACRA: Chacra Cardíaco 4D – trás CARACTERÍSTICA: Holístico Ativo
EXPRESSÃO: Liberdade responsável

ESTÁGIO: FACE DO CHACRA: Chacra Laríngeo 5D – frente CARACTERÍSTICA: Criativo Receptivo
EXPRESSÃO: Desenvolvimento Intuitivo

ESTÁGIO: CHACRA LARÍNGEO SUPERIOR 5D – Face: trás CARACTERÍSTICA: Criativo Ativo EXPRESSÃO: Criatividade Poderosa Ativa.

10º ESTÁGIO: CHACRA INFERIOR DO TERCEIRO OLHO 6D – Face: frente CARACTERÍSTICA: espiritual superior receptivo EXPRESSÃO: Segredos do universo.

11º ESTÁGIO: CHACRA SUPERIOR DO TERCEIRO OLHO 6D – Face: trás CARACTERÍSTICA: espiritual superior ativo EXPRESSÃO: Sabedoria Globalmente aplicada.

12º ESTÁGIO: CHACRA INFERIOR CORONÁRIO 7D CARACTERÍSTICA: Conexão universal EXPRESSÃO: consciência cósmica.


(Nota: Os níveis de densidade são algumas vezes, incorretamente referidos como “dimensões”.)


É de enorme importância para a evolução da humanidade que muitas pessoas hoje já entraram no sexto e sétimo estágio de consciência. É importante porque aqueles estão na quarta densidade (4D), nos estágios de consciência centrados no coração e nós estamos nos preparando hoje para uma mudança física para o estado da quarta densidade da existência física.

O Professor Graves ficou fascinado com o sétimo estágio de consciência, porque ele compreendeu que os seis primeiros estágios formavam uma série, ou camadas de estágios e este sétimo estágio era um passo para um novo nível. Ele chamou o salto para o segundo nível de consciência, como um “salto importante” para a humanidade.

Se vocês considerarem o sétimo estágio como o passo do nível básico dos seis estágios ou etapas para o nível espiritual dos seis estágios de consciência, então, sim, “importante” é uma descrição muito apropriada. Não é mais um indivíduo na sétima etapa (ou estágio), perambulando pelo mundo físico, buscando a verdade oculta, perdida, da existência… eles a encontraram!

A consciência espiritual traz um propósito para a vida, um objetivo geral e subjacente, pois a experiência humana é a evolução da consciência. Quando o seu foco se torna espiritual, vocês estão olhando diretamente para a escada da evolução, e não mais olhando ao redor em busca de pistas quanto ao que é a vida.

O portal para a consciência espiritual é através do coração.

Uma vez que uma pessoa alcance o sexto estágio de consciência, ela está vendo o mundo através das lentes da consciência do chacra do coração (inferior), que se relaciona com a quarta densidade inferior (4D). Neste estágio, ela se torna mais sensível às necessidades dos outros e pensa mais em termos do bem da comunidade do que em atividades puramente egoístas. É uma visão mais ampla da consciência do que a ambição estreitamente focada da 3D que a precedeu.

O sétimo estágio, o primeiro estágio do nível espiritual da consciência, está apenas a um pequeno passo. A pessoa no sexto estágio já está com a consciência centrada no coração. Ela só precisa dar este pequeno passo para a consciência superior do coração para a consciência superior da 4D do sétimo estágio, e a conexão com os níveis superiores da consciência se abrem diretamente.

…………………………………………………………………………………………………………………………

Direitos Autorais:
Owen Waters é o autor de Love, Light Laughter:
The New Spirituality, disponível em livro impresso ou como e-book em:http://www.infinitebeing.com/ebooks/love.htm

Fonte: Spiritual Dynamics | Spiritual Consciousness
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br

Via: Luz de Gaia | Consciência Espiritual – por Owen Waters 2 de junho de 2013